Radio Havana Cuba

Uma voz de amizade que percorre o mundo

  • Español
  • English
  • Português
  • Esperanto
  • العربية
  • Français
  • Italiano
  • Siga-nos em
  • Radio Habana Cuba en Facebook
  • Radio Habana Cuba en Twitter
  • Radio Habana Cuba en Youtube
  • Canal RSS principal
  • Enviar mensaje

#SiempreEs26

Macri sob pressão

O governo neoliberal da Argentina, presidido por Maurício Macri, está sob intensa pressão doméstica e exterior devido ao aumento da pobreza no país sul-americano e a violenta repressão das forças policiais contra a população mapuche.

Milhares de pessoas saíram às ruas em Buenos Aires: partiram da igreja de San Cayetano e rumaram para a Praça de Maio exigindo empregos e a aplicação de programas contra a fome, que se espalha pelos segmentos populacionais mais humildes por causa das políticas impostas pelo executivo há um ano e meio.

Segundo os organizadores do protesto, o governo de Macri mergulhou dois milhões de pessoas na pobreza e, ao mesmo tempo, aumentou os privilégios dos grandes empresários, que pagam cada vez menos impostos e aumentam seus lucros à custa do Estado.

Estimativas conservadoras indicam que não são satisfeitas as necessidades básicas de alimentação, saúde e educação de 60 por cento das crianças argentinas em consequência da privatização dos serviços básicos.

Os participantes da marcha também reclamaram do governo que o jovem Santiago Maldonado aparecesse com vida. Testemunhas garantem que, há sete dias, foi cercado e espancado pela polícia e obrigado a subir numa camionete que saiu voando rumo a um lugar desconhecido na comunidade mapuche Lof em Resistência de Cushamen, no departamento de Chubut.

Maldonado é de Buenos Aires, porém há vários anos se mudou para a região mapuche para apoiá-los na luta pela conservação de suas terras, ocupadas por latifundiários e multinacionais.

Segundo as denúncias, perto de 100 efetivos da gendarmaria – administrada pela ministra de Segurança Patrícia Bullrich - irrompeu no lugar onde se achavam várias pessoas, entre elas crianças.

Fernando Iones Huala, porta-voz do movimento mapuche, disse que os agentes desfecharam balas de borracha, espancaram as mulheres e as fecharam junto com as crianças num posto de segurança e atearam fogo a seus pertences, inclusive os brinquedos e as roupas dos menores.

O governo tentou minimizar os acontecimentos e nega ter detido Maldonado. Para disfarçar, o secretário de Direitos Humanos culpou as vítimas pela violência. Já um jornalista do Grupo Clarin, Jorge Lanata, escreveu sobre “uma guerrilha mapuche” sem mostrar provas.

O Comitê da ONU contra a desaparição à força reclamou do governo de Macri a adoção de uma estratégia integral para encontrar Santiago Maldonado, e o Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, exigiu ao presidente e à ministra de Segurança que o rapaz aparecesse vivo.

Pobreza, insegurança, repressão e agora desaparecidos são o saldo da mudança prometida à população pelo presidente Macri, que está conduzindo seu país aos temíveis anos de 1980 do século passado.(Guillermo Alvarado)


 


 

Editado por Lorena Viñas Rodríguez
Comentários
Deixe um comentário
Contador de Visitas

3538789

  • maxima: 19729
  • yesterday: 3819
  • today: 1286
  • online: 115
  • total: 3538789